Logo 5 2017

 

Menu

Aulas práticas do ‘De Volta pra Sala’ começam nesta sexta-feira

Aulas práticas do ‘De Volta pra Sala’ começam nesta sexta-feira

Moradores poderão aprender em uma oficina de produção de sofás ambientalmente corretos

Santo André, 31 de outubro de 2019 - Os moradores de Santo André que participam do projeto De Volta pra Sala, do Semasa (Serviço Municipal de Saneamento Ambiental de Santo André), vão começar a colocar a ‘mão na massa’: é o início das aulas práticas do projeto que vai transformar sofás velhos – descartados nas Estações de Coleta – em novos mobiliários.

A partir de agora, os encontros acontecem em uma área próxima ao Reservatório Progresso, que foi totalmente adaptada para a oficina. O local já conta com todos os equipamentos para a produção dos sofás. Nesta sexta-feira (1º), os participantes receberão as primeiras noções de utilização das máquinas, além de instruções sobre como usar corretamente os equipamentos de proteção individual e coletiva.

"Sabemos que os participantes estão ansiosos para começar essa etapa mais prática do projeto. Mas também temos certeza que, após aprenderem ao longo dos primeiros meses do programa como funciona a gestão ambiental da cidade e a coleta seletiva, estarão bem mais preparados para absorver os novos conhecimentos que virão", afirmou o superintendente do Semasa, Almir Cicote.

Josiana Nascimento Fiel, de 44 anos, moradora do Jardim Stella, conta que ela e o marido estão desempregados. Ele ficou sabendo do curso primeiro e depois a chamou para participar também. “A cada aula eu aprendo mais, e aprendi muito sobre reciclagem. Antes, por exemplo, eu não reciclava e nem sabia da importância de fazer isso. A cada aula eu tenho mais expectativa de que este trabalho vai dar certo”, comenta.

O projeto De Volta pra Sala – transformando sofás em cidadania, é inspirado no projeto Okavango, de Diadema. A iniciativa do Semasa, que é financiada pelo Fumgesan (Fundo Municipal de Gestão e Saneamento Ambiental), trabalha as questões ambientais, sociais e profissionais, proporcionando meios de geração de trabalho e proteção do meio ambiente.

“O que queremos é que a pessoa consiga visualizar no móvel descartado uma possibilidade de geração de trabalho e renda. Vamos começar ensinando um modelo básico, que demanda menos recursos para a fabricação do sofá. Com o tempo, vamos aprimorando as técnicas para produção de móveis mais modernos e que estejam de acordo com a demanda do mercado”, explica Diolindo Sousa, criador do Okavango e consultor no projeto do Semasa.

“Vou levar tudo o que estou aprendendo pro meu dia a dia e espero fabricar sofás, fazer dinheiro e aprender cada vez mais”, diz animada Valéria Siqueira Santos, de 38 anos, servente geral, e uma das participantes do De Volta pra Sala.

Até o final deste ano, será concluída a parte prática, que agrega também conhecimentos de marcenaria, cooperativismo e economia solidária. Em 2020, inicia-se a produção dos jogos de sofás e a abertura do espaço para visitação do público.

A expectativa é ter 50 jogos de sofás prontos ao término do projeto (em março). Algumas peças serão expostas no espaço da oficina e outras serão doadas ao Fundo Social de Solidariedade. Por meio do reaproveitamento dos materiais descartados e das técnicas passadas, além de sofás, os participantes aprenderão a confeccionar cadeiras, pufes e até aparadores e mesinhas.

| Texto: Paloma Alvarez

| Fotos: Divulgação/Semasa

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

voltar ao topo