Menu

Logo 5 2017 SemSlogan

Ruas do Jardim Club de Campo

As ruas do Jardim Club de Campo têm agora os seguintes nomes:

 Veja o mapa do Jardim Clube de Campo

ANEXO 1.9 - DENOMINAÇÃO DE LOGRADOUROS DO LOTEAMENTO

JARDIM CLUB DE CAMPO.

TIPO

NOME ATUAL

NOME ANTIGO OU OUTRO

INÍCIO

TÉRMINO

Rua

Acácia

 

Rua Bromélia

Rua Genciana

Rua

Açucena

 

Rodovia Índio Tibiriçá (SP - 31)

Rua Acácia

Rua

Alfazema

Rua Violeta

Rua Angélica

Avenida Manacá da Serra

Rua

Angélica

Rua Rosa e Rua Angélica

Avenida Manacá da Serra

Rodovia Índio Tibiriçá (SP - 31)

Rua

Antúrios

 

Avenida Manacá da Serra

Rodovia Índio Tibiriçá (SP - 31)

Rua

Avenca

 

Rua Dália

Rua Papoula

Rua

Begônia-vermelha

Rua Begônia

Rua Liana

Rua Gloxínia

Rua

Bromélia

Rua Gardênia

Rodovia Índio Tibiriçá (SP - 31)

Estrada Velha do Mar

Rua

Ciclame

 

Cravo

Rua Rainha Margarida

Rua

Cravo

 

Avenida Manacá da Serra

Rua Gardênia

Rua

Crisântemo

 

Avenida Manacá da Serra

Rua Rainha Margarida

Rua

Dália

 

Rua Gérbera

Avenida Manacá da Serra

Rua

Flor de Jade

Rua Azaléia

Rua Angélica

Avenida Manacá da Serra

Rua

Gardênia

 

Limite do Reservatório do Sistema Billings

Rua Jasmim Amarelo

Rua

Genciana

Parte da Avenida Manacá

Rodovia Índio Tibiriçá (SP - 31)

Estrada Velha do Mar

Rua

Gerânio

 

Rua Angélica

Estrada Velha do Mar

Rua

Gérbera

Rua Lírio

Rua Melindre

Avenida Manacá da Serra

Rua

Gloxínia

 

Rua Liana

Rua Gardênia

Rua

Íris

Rua Camélia

Rua Angélica

Avenida Manacá da Serra

Rua

Jasmim-amarelo

Rua Jasmim

Avenida Manacá da Serra

Rodovia Índio Tibiriçá (SP - 31)

Rua

Lavanda

Rua Magnólia

Limite do Reservatório do Sistema Billings

Rua Palma

Rua

Liana

Rua Glicínia

Limite do Reservatório do Sistema Billings

Rua Gardênia

Rua

Lilás

 

Rua Genciana

Rua Bromélia

Rua

Lótus

 

Sempre Viva

Rua Lavanda

Rua

Madressilva

 

Avenida Manacá da Serra

Avenida Manacá da Serra

Avn

Manacá da Serra

Avenida Manacá

Rua Gardênia

Rodovia Índio Tibiriçá (SP - 31)

Rua

Margarida

 

Rodovia Índio Tibiriçá (SP - 31)

Rua Genciana

Rua

Melindre

Rua Tulipa e Rua Melindre

Avenida Manacá da Serra

Avenida Manacá da Serra

Rua

Narciso

 

Rua Trevo

Lote de C.F. 31.148.012

Rua

Palma

Rua Guiné

Avenida Manacá da Serra

Avenida Manacá da Serra

Rua

Papoula

 

Limite do Reservatório do Sistema Billings

Rua Dália

Rua

Rainha Margarida

 

Avenida Manacá da Serra

Rua Gardênia

Rua

Sempre Viva

Rua Sempre Viva e Rua União dos Palmares

Rua Narciso

Rua Gardênia

Rua

Trevo

 

Limite do Reservatório do Sistema Billings

Rua Lavanda

Rua

Uniflor

Rua Girassol

Rua Gerânio

Estrada Velha do Mar

Estrada

Velha do Mar

 

Limite com o município de São Bernardo do Campo

Limite com o município de Ribeirão Pires

Rua

Victória Amazônica

Rua Vitória Régia

Rua Lótus

Avenida Manacá da Serra


 

Ruas do Acampamento Anchieta

As ruas do Acampamento Anchieta têm agora os seguintes nomes:

ANEXO 1 - DENOMINAÇÃO DE LOGRADOUROS

Veja o mapa do Acampamento Anchieta, Blocos A e B

Veja o mapa do Acampamento Anchieta, Blocos C e D

 

ANEXO 1.1 - DENOMINAÇÃO DE LOGRADOUROS DO LOTEAMENTO

ACAMPAMENTO ANCHIETA, BLOCO A.

TIPO

NOME ATUAL

NOME ANTIGO OU OUTRO

INÍCIO

TÉRMINO

Rua

Coruja

 

Rua Cotovia

Lote de C.F. 31.114.015

Rua

Cotovia

 

Rua Periquito

Rua Periquito

Rua

Curió

 

Estrada do Rio Pequeno

Lote de C.F. 31.114.125

Rua

Irré

 

Rua Coruja

Lote de C.F. 31.114.042

Rua

Flautim

 

Lote de C.F. 31.114.156

Lote de C.F. 31.114.173

Rua

Papagaio

 

Rua Periquito

Limite do Reservatório do Sistema Billings

Rua

Periquito

Rua Prof. Carlos Gomes Barreiros

Estrada do Rio Pequeno

Limite do Reservatório do Sistema Billings

Estrada

Rio Pequeno, do

 

Estrada Velha do Mar

Limite com o município de Rio Grande da Serra

Rua

Suiriri

 

Rua Flautim

Rua Periquito

Rua

Tiziu

 

Rua Periquito

Lote de C.F. 31.114.167

Estrada

Velha do Mar

 

Limite com o município de São Bernardo do Campo

Limite com o município de Ribeirão Pires

ANEXO 1.2 - DENOMINAÇÃO DE LOGRADOUROS DO LOTEAMENTO

ACAMPAMENTO ANCHIETA, BLOCO B.

TIPO

NOME ATUAL

NOME ANTIGO OU OUTRO

INÍCIO

TÉRMINO

Rua

Carcará

Caminho 2 (dois)

Estrada do Rio Pequeno

Lote de C.F. 31.112.010

Rua

Colibri

 

Lote de C.F. 31.114.077

Estrada do Rio Pequeno

Rua

Gralha

 

Estrada do Rio Pequeno

Limite do Reservatório do Sistema Billings

Rua

Quero-quero

 

Lote de C.F. 31.012.062

Estrada do Rio Pequeno

Estrada

Rio Pequeno, do

 

Estrada Velha do Mar

Limite com o município de Rio Grande da Serra


ANEXO 1.3 - DENOMINAÇÃO DE LOGRADOUROS DO LOTEAMENTO

ACAMPAMENTO ANCHIETA, BLOCO C.

TIPO

NOME ATUAL

NOME ANTIGO OU OUTRO

INÍCIO

TÉRMINO

Rua

Canário Belga

Rua Belga

Lote de C.F. 31.110.004

Estrada do Rio Pequeno

Rua

Corruíra

 

Estrada do Rio Pequeno

Rua São Silvestre

Rua

Guaraponga

Rua Araponga

Rua Tucano

Rua Leila Roque Diniz

Rua

Pássaro Preto

 

Rua Canário Belga

Lote de C.F. 31.113.052

Rua

Pombo Correio

 

Rua Canário Belga

Limite do Reservatório do Sistema Billings

Estrada

Rio Pequeno, do

 

Estrada Velha do Mar

Limite com o município de Rio Grande da Serra

Rua

Rolinha

 

Estrada do Rio Pequeno

Lote de C.F. 31.113.162

Rua

Silvestre, São

 

Estrada do Rio Pequeno

Rua São Diogo

Rua

Tucano

 

Estrada do Rio Pequeno

Lote de C.F. 31.113.125

Rua

Vira-folha

 

Rua Canário Belga

Lote de C.F. 31.082.032

           

ANEXO 1.4 - DENOMINAÇÃO DE LOGRADOUROS DO LOTEAMENTO

ACAMPAMENTO ANCHIETA, BLOCO D.

TIPO

NOME ATUAL

NOME ANTIGO OU OUTRO

INÍCIO

TÉRMINO

Rua

Pombo Correio

 

Rua Canário Belga

Limite do Reservatório do Sistema Billings

Rua

Tié-preto

 

Rua Pombo Correio

Rua Pombo Correio

Autorização para fotografia e filmagem em Paranapiacaba.

A vila de Paranapiacaba é patrimônio tombado pelos órgãos de preservação patrimonial federal, estadual e municipal.

O uso de imagem da paisagem cultural, espaços públicos e casario da vila de Paranapiacaba deve atender às disposições estabelecidas na lei municipal nº 9.018/2007 e no decreto municipal nº 16.698/2015.

Dependendo da finalidade do uso de imagem é preciso solicitar autorização da Prefeitura de Santo André.

Quando é necessária a autorização?

a)    Para produção de imagem com finalidade comercial, publicitária ou jornalística.
b)    Para produção de imagem com finalidade educacional, cultural, artística, científica ou acadêmica.
c)    Para produção de imagem feita por terceiros com finalidade pessoal, tais como álbum de casamento, catálogo fotográfico, entre outros, em logradouro público ou local a céu aberto.

Quando é dispensada a autorização?
Para produção de imagem feita pelo próprio autor, com finalidade de uso pessoal, em logradouro público ou local a céu aberto.

Como pedir a autorização?

a)    O pedido deve ser feito pelo e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..
b)    Informar no pedido o dia, hora e local pretendido para a produção de imagem e a finalidade de sua utilização.

Serão fornecidas todas as informações e orientações para obtenção da autorização.

Com qual antecedência deve-se fazer o pedido de autorização?

a)    7 dias úteis:para produção de imagem em logradouro público ou em área onde não haja interferência nos demais usos;
b)    15 dias úteis:para produção de imagem que envolva edificação ou espaço destinado a visitação pública.

Há necessidade de pagamento de taxa?

Sim, dependendo da finalidade de uso da imagem.

Quando é necessário pagar taxa?

a)    Para uso comercial ou publicitário.
b)    Para uso jornalístico que divulgue marca, produto ou serviço.
ü  Além do pagamento da taxa o interessado deverá doar quatro exemplares do produto gerado com a captação de imagem à Prefeitura de Santo André.

Quando é dispensado o pagamento de taxa?

a)    Para produção de imagem feita pelo próprio autor, com finalidade de uso pessoal, em logradouro público ou local a céu aberto.
b)    Para produção de imagem feita por terceiros com finalidade pessoal, tais como álbum de casamento, catálogo fotográfico, entre outros, em logradouro público ou local a céu aberto.
c)    Para uso educacional, cultural, artístico, científico ou acadêmico, desde que a finalidade seja comprovada.
d)    Para uso jornalístico, desde que comprovada a finalidade exclusivamente informativa.

Qual o valor da taxa a ser paga?

O valor da taxa é variável, dependendo do tipo de captação da imagem e da utilização que será feita da mesma.

ATENÇÃO: A EMISSÃO DA AUTORIZAÇÃO, A COBRANÇA DA TAXA E A EMISSÃO DO BOLETO DE PAGAMENTO SÃO FEITAS EXCLUSIVAMENTE PELA PREFEITURA DE SANTO ANDRÉ.

Secretaria de Gestão de Recursos Naturais de Paranapiacaba e Parque Andreense

Nova Denominação de Ruas de Paranapiacaba e Parque Andreense

Histórico

A Secretaria de Gestão de Recursos Naturais de Paranapiacaba e Parque Andreense apresenta a lei municipal nº 9.513/2013 com a oficialização dos nomes das ruas da região de Paranapiacaba e Parque Andreense

Com ela, dezenas de nomes de ruas bastante usados pela população, mas que não eram reconhecidos oficialmente ou nem tinham denominação foram regulamentados. Dessa forma foram solucinados diversos problemas da região,  como a entrega de correspondência e de bens em domicílio aos moradores; a correta identificação e localização das vias para empresas prestadoras de serviços e os Cartórios de Registros de Imóveis podem contar agora com a identificação atualizada dos logradouros onde estão as propriedades.

Além da Vila de Paranapiacaba, as  vias dos 15 loteamentos da região de Paranapiacaba e Parque Andreense, também tiveram seus nomes oficializados, a seguir:

  1. Ruas do loteamento Acampamento Anchieta, e Ruas do loteamento Jardim das Garças, receberam nomes de pássaros;
  2. Ruas dos loteamentos Estância Rio Grande e Jardim Silvia começam com "U";
  3. Ruas do loteamento Jardim Club de Campo de flores e plantas ornamentais;
  4. Ruas do lotemento Jardim Guaripocaba, de Santos;
  5. Ruas do loteamento Jardim Joaquim Eugênio de Lima, de personagens da História do Brasil;
  6. Ruas do loteamento Parque das Garças, de pontos cardeais;
  7. Ruas do loteamento Parque Represa Billings, de cidades da região sul do país;
  8. Ruas do loteamento Parque Rio Grande, de personagens da História do Brasil e artistas; 
  9. Ruas do loteamento Sítio Taquaral, nomes de Cientistas da Antiguidade;
  10. Ruas do loteamento Chácara Carreiras;
  11. Ruas do loteamento Chácaras Engenho da Serra;
  12. Ruas do loteamento Jardim Alteza
  13. Ruas do loteamento Parque Billings e
  14. Nomes de Ruas em Áreas Não Loteadas

 

 

 Criação de Código de Endereçamento Postal - CEP-  A partir da promulgação da lei municipal nº 9.513/2013 solicitou-se à Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos a criação de CEP das vias oficializadas. Os Correios fizeram amplo estudo e revisaram todos os CEPs que existiam para a região. Foram criados novos códigos para as vias que não os possuíam, mantidos ou alterados diversos dos já existentes e, para vias não abertas ou sem moradores, não foram criados códigos, ou foram extintos os que existiam. (Abril de 2015).

Clique aqui para ver o documento na íntegra

Paranapiacaba - Patrimônio da Humanidade

Paranapiacaba, localizada a 50 km de São Paulo, é candidata a patrimônio da humanidade pela UNESCO

Vila ferroviária preserva patrimônio do século XIX

Paranapiacaba, localizada a 50 km de São Paulo, é candidata a patrimônio da humanidade pela UNESCO

A cidade preserva, no alto da Serra do Mar, um importante patrimônio histórico: a vila de Paranapiacaba. Localizada a 50 km da capital a vila nasceu a partir de 1860, com a instalação do acampamento dos trabalhadores da construção da primeira ferrovia do Estado de São Paulo, que ligaria o porto de Santos e o planalto. A ferrovia entrou em funcionamento em fevereiro de 1867, dando um grande impulso na economia com o aumento do volume do transporte do café, até então era transportado no lombo de burro numa viagem que poderia demorar vários dias.

O aumento do volume do transporte do café torna necessária a construção de uma segunda linha no final do século XIX. A ampliação demandou a permanência de um número significativo de trabalhadores para manutenção e operação da ferrovia. A empresa responsável pela operação da ferrovia, a São Paulo Railway Company (SPR), decide então construir a vila para abrigar estes trabalhadores.

A construção da vila, na Parte Baixa, segue as características inglesas com construções em madeira. Ao mesmo tempo, do outro lado da linha, na Parte Alta, são instaladas a Igreja Católica e o comércio para abastecer a vila. Em 1946, com a fim da concessão da ferrovia, a SPR é encampada pela União e passa a se chamar Estrada de Ferro Santos – Jundiaí. A Rede Ferroviária Federal S. A. (RFFSA) assume a ferrovia em 1957. Em 1974 foi implantado um novo sistema de cremalheira.

Desde 2008 Paranapiacaba é candidata a patrimônio da humanidade pela UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura). Em outubro a candidatura foi incluída na lista indicativa brasileira que o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) encaminhará à UNESCO.

O patrimônio tecnológico e entorno da vila, composto por remanescentes da Mata Atlântica, foram tombados, em 1987 pelo CONDEPHAAT (Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Artístico, Arqueológico e Turístico do Estado de São Paulo), em 2002 pelo IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional), e no ano seguinte na esfera municipal, pelo Comdephapaasa.

Prefeitura compra a Vila em 2002

Localizada no território de Santo André, a vila de Paranapiacaba, que pertencia à RFFSA, foi adquirida pela Prefeitura da cidade em 2002. Desde então a Administração Municipal tem investido na vila, com a preocupação de cuidar do patrimônio histórico e ambiental.

Uma outra preocupação é a geração de emprego e renda para os moradores locais. Para tanto a Prefeitura passou a instalar uma estrutura para receber os visitantes, bem como a incentivar a instalação de serviços de turismo, pousadas e restaurantes entre outros. O local passou a contar também com uma série de eventos que visam levar o público ao local. O principal evento é o Festival de Inverno de Paranapiacaba, realizado em julho, e que em 2009 chega à nona edição.

Construções inglesas e passeio de Maria-Fumaça são atrações

A Vila mantém até hoje suas características inglesas, seja nas construções, seja na constante neblina que cobre o local, lembrando o “fog” inglês. Uma das construções é a antiga residência do engenheiro-chefe da ferrovia. Construída em 1897, a maior casa de Paranapiacaba possui janelas que fornecem uma visão panorâmica da Vila e abriga atualmente o Museu Castelinho, centro de preservação do local.

Os visitantes podem conhecer ainda o antigo mercado, construído em torno de 1899; O Clube União Lyra Serrano, uma das últimas construções inglesas, erguida por volta de 1936, o local recebe as atividades culturais e sociais. Outras atrações são o relógio da estação e o campo de futebol do Serrano Atlético Clube.

O passeio de Maria-Fumaça é outra atração para quem visita Paranapiacaba. A linha turística, operada pela Associação Brasileira de Preservação Ferroviária (ABPF), com apoio da Prefeitura e a MRS Logística, funciona aos sábados, domingos e feriados, percorrendo um trecho de um Km, com saída da passarela que liga a Parte Alta à Parte Baixa da Vila. O passeio custa R$ 5,00.

A linha é composta por uma locomotiva a vapor inglesa Sharp-Stewart nº 10, de 1867, ano do início da operação da ferrovia em Paranapiacaba. Acoplado à locomotiva está o carro de passageiros de primeira classe em madeira de 1914, da SPR.

Turismo Ambiental

Em junho de 2003 a Prefeitura cria o Parque Natural Municipal Nascentes de Paranapiacaba, uma Unidade de Conservação para preservar os recursos naturais da Mata Atlântica do entorno da vila. Numa área de quatro milhões de m² encontram-se exemplares de cedro, bromélias e orquídeas e, sua fauna silvestre com sanhaços, beija-flores, pica-paus, tangarás e macucos, entre outros.

O parque conta com trilhas abertas que tem visitas controladas realizadas com os monitores ambientais, que são moradores de Paranapiacaba e foram capacitados pela Prefeitura de Santo André em conjunto com o Instituto Florestal. Os monitores estão habilitados a receber os visitantes e mostrar a beleza da área. O Parque está aberto de terça-feira a domingo das 8 às 16 horas.