Logo 5 2017

 

Menu

Sabina ganha aquário de recife de corais no mês de aniversário

Aquário traz a beleza de corais e de 17 peixes originários dos oceanos Índico e Pacífico. Aquário traz a beleza de corais e de 17 peixes originários dos oceanos Índico e Pacífico. Alex Cavanha

Nova atração da Escola Parque pode ser conferida a partir deste sábado

Santo André, 22 de fevereiro de 2019 - No último fim de semana de fevereiro, mês em que a Sabina Escola Parque do Conhecimento completa 12 anos de atividade, o espaço criado para promover o conhecimento de forma interativa e divertida vai ganhar uma novidade: um aquário de recife de corais. Em um tanque de 1,5 mil litros, o visitante vai poder conferir a beleza das cores dos corais e de 17 peixes originários dos oceanos Índico e Pacífico.

“No Brasil existem somente 16 espécies de corais, sendo 10 endêmicas (ou seja, só existem no litoral brasileiro), o  que é um número pequeno. Todos os nossos corais são protegidos, por isso é proibido ter estas espécies em locais como a Sabina”, explicou a bióloga do Instituto Argonauta de Conservação Costeira e Marinha, Catherina Monteiro. A instituição, parceira da Sabina, é responsável pela gestão dos recintos com animais da Sabina.

Para se ter uma ideia, a região do Indo-Pacífico (Mar Vermelho, Oceano Índico, sudeste asiático e Oceano Pacífico) contribui com 92% do total estimado de recifes do planeta e os do Oceano Atlântico e do Mar do Caribe contribuem com apenas 7,6% do total de cerca de 284.300 km2 de corais estimados no mundo.

De acordo com Catherina, o objetivo da instalação do aquário de recifes na Sabina é sensibilizar tanto os estudantes, que visitam o espaço com as escolas de terça a sexta, quanto público espontâneo aos finais de semana, em relação a este ecossistema, que é muito importante e hoje sofre muito com os impactos ambientais”, explicou a bióloga.

Os corais servem de abrigo, local para reprodução e alimentação para várias espécies, como peixes, invertebrados e crustáceos. Cerca de um quarto das espécies marinhas depende dos recifes de corais para sobrevivência.

O aquário de recifes de corais fica na Sala da Vida, próxima a outros recintos da Sabina relacionados à vida marinha, como o aquário que abriga a fêmea de um tubarão lixa, raias e moréias, do tanque de observação onde ficam os peixes jovens, o pinguinário, que abriga atualmente 35 pinguins-de-magalhães, sendo que sete são filhotes nascidos em dezembro, e ainda o terrário, com espécies da vegetação da Mata Atlântica, que abriga duas jibóias. A Mata Atlântica é a mata da costa do Brasil e Santo André está inserido dentro da área onde antigamente essa vegetação era dominante.

“A preservação do meio ambiente é um dos pilares do trabalho realizado na Sabina. A ideia é ensinar conceitos de ciência, química, física e biologia, mas sempre com foco na preservação. E aproximar os ambientes marinhos dos visitantes reforça a ideia de que é preciso cuidar da natureza e lutar contra a destruição de ecossistemas importantes, como os recifes de corais”, destacou a bióloga Catherina.  

Última modificação emSegunda, 25 Fevereiro 2019 12:35

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

voltar ao topo