Logo 5 2017

 

Menu

Professores de Santo André participam de 2 º Encontro de Práticas Cooperativas

Evento cotou com oficinas que mobilizaram os participantes Evento cotou com oficinas que mobilizaram os participantes Divulgação/PSA

Evento realizado no Centro de Formação de Professores Clarice Lispector, na Vila Matarazzo, encerrou o curso de Pedagogia da Cooperação, oferecido aos professores da rede municipal de ensino


Santo André, 29 de novembro de 2018 - O Centro de Formação de Professores Clarice Lispector, na Vila Matarazzo, recebeu na última quarta-feira (28) o 2º Encontro de Práticas Cooperativas da rede municipal de ensino. Voltado para professores do município, o evento teve a dupla missão de encerrar o curso de Pedagogia da Cooperação, oferecido gratuitamente aos profissionais da rede, e mostrar aos professores convidados não só o resultado das atividades aplicadas em sala de aula, mas também a possibilidade de adquirir uma nova forma de enxergar a vida, mais solidária e humana, por meio do curso. O primeiro encontro aconteceu em 2017.

“Os jogos cooperativos são apenas parte do conteúdo do curso, onde também são abordadas questões como afetividade, socialização, compreensão, respeito às diferenças e tolerância, além de conteúdos como danças circulares, aprendizagem cooperativa, músicas de socialização, entre outros processos. A ideia é formar seres cooperativos”, explicou o gerente dos Cesas (Centros Educacionais de Santo André), Márcio “Tubarão” Ribeiro, que é idealizador e mediador do curso. Ao todo, 22 professores participaram do cursom que aconteceu em 12 aulas.

Segundo Ribeiro, o curso tem o objetivo de oferecer ao professor a possibilidade de ter um olhar diferenciado sobre as relações do dia a dia, uma visão mais humana dentro da sala de aula e também em outros aspectos da vida, como no convívio com os colegas de trabalho e com a família. “Isso é uma necessidade da sociedade como um todo”, acrescentou.

O encontro reuniu cerca de 60 profissionais da rede, entre professores, Agentes de Desenvolvimento Infantil (ADI) e equipes gestoras das unidades, que puderem escolher entre três temas de oficinas para participar: danças circulares, jogos cooperativos e vivências do lúdico e da cooperação. De acordo com Ribeiro, a ideia do encontro é despertar o interesse de outros professores pelo tema e, assim, garantir adesão para a turma do próximo ano. A data de inscrição ainda não está definida.

A professora Maria Aparecida Viana, da creche Irmã Rosina, já sentiu a diferença em seus alunos do primeiro ciclo da educação infantil, com idade entre 3 e 4 anos. “As crianças com essa faixa etária não enxergam uns aos outros, eles se atropelam, têm dificuldade em compartilhar as coisas. Mas percebo que isso já está mudando, com a aplicação das informações que aprendi no curso. Eles já estão mais amorosos uns com os outros, carinhosos, competindo menos entre si”, contou Maria Aparecida. Para a professora, no entanto, o ganho em termos de amadurecimento pessoal é, também, muito importante. “ A gente aprende a ver que a mudança precisa começar por nós mesmos e que nada deve nos limitar”, acrescentou.

 

Texto: Paola Zanei

Foto: Divulgação

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

voltar ao topo