Logo 5 2017

 

Menu

Em formato de Talk Show, profissionais da Saúde andreense discutem estratégias em rede sobre Hepatite C Destaque

Na foto, parte da equipe do Núcleo de Prevenção IST/Aids, da esquerda para a direita, Patrick Monteiro Lopes Guimarães, Marcia Furquim Campos e Elis Muriel Monti Na foto, parte da equipe do Núcleo de Prevenção IST/Aids, da esquerda para a direita, Patrick Monteiro Lopes Guimarães, Marcia Furquim Campos e Elis Muriel Monti Ricardo Trida/PSA

Evento realizado no Salão Burle Marx contou com a participação de funcionários de diversos níveis de atenção da rede e representantes da sociedade civil

Santo André, 27 de julho de 2018 - A Prefeitura de Santo André, por meio do Núcleo de Prevenção IST/Aids da Secretaria de Saúde, promoveu na tarde desta sexta-feira (27), o evento Talk Hepatite C, onde funcionários dos diversos níveis de atenção da rede, bem como, representantes da sociedade civil, se reuniram para discutir e definir estratégias em relação a doença que é tema da campanha Julho Amarelo.

“A Hepatite C é uma infecção que acomete a população de mais idade, que muitas vezes acaba não sendo atingida pelas campanhas de estímulo ao diagnóstico, por isso estamos conversando hoje aqui, porque precisamos repensar processos de trabalho a fim de chegar até essas pessoas.

Existe até um paradoxo porque a população mais idosa normalmente é que mais frequenta as unidades, e a gente acaba não tendo o olhar de organizar o processo de trabalho para que essa população, que já está lá, facilmente identificável, aceite fazer o teste”, explica o infectologista e responsável técnico pelo Ambulatório de Referência em Moléstias Infecciosas (ARMI), Humberto Barjud Onias.

Diferente do HIV e da Sífilis, a Hepatite C pode ser transmitida sexualmente, porém as principais formas de contágio são: transfusão de sangue e procedimentos cirúrgicos e odontológicos com material não esterilizado devidamente, apresentando risco inclusive, o material utilizado por manicures e pedicures. O perigo comum entre essas situações é o contato com sangue infectado.

“A pessoa pode manifestar pouco tempo depois do contato com o vírus a hepatite na fase aguda, com aquele quadro de olhos amarelados, fezes claras, urina escura, mal estar e náusea, mas muitos pacientes não desenvolvem esse quadro agudo. De 100 pessoas que se infectam com a Hepatite C, 85% a 90% vão se tornar portadoras crônicas do vírus, não conseguindo eliminá-lo nessa fase aguda, então vão continuar sendo transmissoras dele e sendo pessoas sujeitas às manifestações tardias da doença, que pode evoluir para cirrose, um mal funcionamento grave do fígado, e até para um câncer do órgão”, complementa o médico.

Tem cura – Entre 2013 e 2018, foram diagnosticados pela rede andreense, 786 novos casos da doença. Apesar do número expressivo, o atual índice de cura da doença, registrado pelo Ambulatório de Referência em Moléstias Infecciosas do município, é de 97%.

Em Santo André, é possível procurar qualquer unidade básica de saúde para realização do teste rápido que fará a verificação se o paciente em questão teve contato com o vírus em algum momento da vida. Caso o exame aponte “reagente”, esse paciente será encaminhado ao ARMI, na Vila Guiomar, onde um exame complementar vai confirmar se ele ainda é ou não portador do vírus da Hepatite C. Caso seja confirmado, o tratamento para doença é simples e rápido, tendo duração de 8 a 24 semanas.

Texto: Bianca Fontes

Última modificação emSexta, 27 Julho 2018 18:50

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

voltar ao topo